Congregação das Irmãs Franciscanas

de Nossa Senhora das Vitórias

PARTILHA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Por um pedaço de pão

Os sonhos da velha Mulembeira

Estou triste, minha filha. Népia que tinha adormecido encostada à velha Molumbeira, acordou.

Triste, mamã Mulembeira! Mas hoje foi um dia tão bonito.  Viste aquelas crianças? Viste como elas chegaram cedo com as suas marmitas, e se juntaram, felizes e como saltavam de alegria, os de Mupanda com os de Muhaha, os de Nonthanda com os Muholo e aqueles meninos que vinham do lado das pedreiras. E os velhinhos que chegaram encostados aos seus paus. Viste aqueles olhos felizes?

E aquelas mamãs que à volta dos panelões de arroz e de peixe nos preparavam a comida tão saborosa que raramente comemos. Como estavam felizes!

Mamã Mulumbeira, como podes estar triste? Não vês, minha filha, que estou velha e cansada. A copa das minhas folhas já não dá sombra para tanta gente. Viste como eram tantos, mais de 700 e eu já não posso abraçar a todos.

Tu já não te lembras como tudo começou. Foi só um pedacinho de pão que uma Madre deu a uma criança com fome. Creio que se chamava Ndinga. Era o fim de semana. E cada fim de semana a Madre aparecia e mais crianças esperavam um pedacinho de pão. E eram cada vez mais e a Madre teve uma ideia.

Vamos criar uma cozinha comunitária. E eu fiquei feliz por poder acolher tanta criança, tanto velhinho, que todos os sábados se sentavam à sombra dos meus ramos.

Mas já não dá, estou velha e cansada. A minha sombra já só abriga alguns. Uma destas noites sonhei que temos de inventar outra forma de matar a fome a tanta gente. No sonho vi uma grande casa aberta todos os dias, onde muitas crianças, muitos velhinhos, muitos doentes, com uma escola para ti e teus amigos e um lar para os mais velhos. Parecia um lugar muito bonito onde todos eram felizes e ninguém passava fome.

Que achas Népia? São bonitos os sonhos! Mas são sonhos. Népia ficou pensativa e teve uma ideia. Vou falar à Madre a ver o que ela diz. Estes dias bonitos não podem acabar, mesmo que os teus ramos não possam acolher toda a gente. Creio que as Madres, que são boas e amigas não nos vão abandonar. Que bom seria Népia, suspirou a velha Molumbeira. Como eu seria feliz se este meu sonho se tornasse realidade.

Se isto já fosse realidade, desabafou Népia, muitas coisas seriam diferentes. Lembras-te do senhor Calapo que mora numa aldeia vizinha? No primeiro dia deste ano, as Madres planearam dar um passeio a um senhor Padre que às vezes nos visita. Mas pouco antes de saírem, pelas 15 horas, um telefonema para a Madre alterou todos os planos. O senhor Calapo, com a voz embargada telefonou a pedir ajuda. E foi a correr que a carrinha das Madres se dirigiu ao pobre casebre onde jazia o senhor Calapo. O ambiente era de desgraça. Ali estava ele, deitado e coberto da cabeça aos pés, como à espera da morte.

Onde está a ambulância? – perguntou a Madre. Estava parada na sede da povoação. Mas não saía sem as devidas licenças e tinham de trazer o corpo, porque a ambulância não vai à casa dos pobres. E o sol escondeu-se e era noite cerrada. Mas, é preciso salvar este homem, dizia a Madre. E foi a carrinha das Madres que levou, já noite, o senhor Calapo até ao hospital da cidade. E lá ficou muito mal, mas muito bem assistido. As Madres regressaram já depois das 22 horas, felizes, por terem salvo uma vida. E pensavam como teria sido tudo diferente, se o sonho da velha Mulembeira já fosse realidade.