Congregação das Irmãs Franciscanas

de Nossa Senhora das Vitórias

NOTÍCIAS

PARTILHA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O Senhor nos dê a Sua Paz!

… Bem cedo, no primeiro dia da semana ao nascer do sol foram ao sepulcro. E diziam entre si: quem nos vai tirar a pedra da entrada do sepulcro, era uma pedra muito grande. Quando olharam viram que a pedra já havia sido tirada… ficaram muito assustadas… não vos assusteis. Procurais Jesus de Nazaré, que foi crucificado? Ele ressuscitou! Não está aqui… ide dizer aos seus discípulos e a Pedro que Ele vai à vossa frente para a Galileia. Mc 16, 2-7

O texto bíblico que Marcos nos apresenta, ajuda a viver com intensidade o tempo da Páscoa. No primeiro dia da Semana, bem cedo as mulheres foram ao sepulcro, querendo indicar desta forma a preocupação que lhes levou a sair muito cedo – o encontro com Jesus seu mestre que fora morto. No caminho elas falam do obstáculo que lhes espera: quem nos vai tirar a pedra da entrada do sepulcro. Apesar do obstáculo e da consciência da sua dificuldade e fragilidade para remover a pedra, elas não desistem, continuam o seu caminho na espectativa de que algo iria acontecer e que seria possível o encontro com Jesus e chegadas ao sepulcro encontram já a pedra removida. O texto não indica quem removeu a pedra, mas já estava removida.

Muitas vezes os obstáculos nos paralisam e não nos deixam avançar e de ver mais além, nos acomodam, nos retraem, criam ansiedade, incertezas, nos desanimam, nos fazem desistir. Estas mulheres mesmo conscientes da dificuldade que haviam de encontrar no sepulcro foram até lá, na espectativa de que algo poderia acontecer. As dificuldades da caminhada e os muitos e vários obstáculos que possamos encontrar no percurso da nossa vida, não devem ser motivo de desistência, de recuar e desistir; pois à medida que se faz o caminho os obstáculos caem, desaparecem, se transformam em sinais de vida nova, de alegria, em oportunidades.

As mulheres entram no sepulcro e não encontram o Corpo de Jesus, porém encontram um jovem vestido de branco que lhes dá o anúncio e missão: Ele não está aqui, Ressuscitou; ide dizer aos seus discípulos e a Pedro que Ele vai à vossa frente para a Galileia.

As mulheres de que São Marcos nos fala, são as mesmas que estiveram junto à Cruz, e são as mesmas que são as primeiras portadoras do anúncio da Ressurreição, sendo elas intermediárias entre Jesus e os Seus discípulos, mensageiras da alegria, da vida nova, da Ressurreição. Estas mulheres somos e devemos ser nós hoje que testemunhamos tantas mortes, violências, guerras, conflitos, desesperos, sofrimentos… que somos convidadas a olhar para mais além, onde está Jesus, sendo portadoras da Boa Nova, do sepulcro vazio, da alegria, da esperança, da Ressurreição.

A ressurreição de Jesus só terá sentido à medida em que estivermos e vivermos em comunhão e numa atitude de abertura para com o próximo tão necessitado da nossa presença, amizade, atenção, numa palavra – do nosso amor.

Que a celebração da Páscoa 2023, depois do percurso dos 40 dias da Quaresma, seja para nós um tempo de graça que nos leve a viver com fé, esperança e amor a caminhada de cada dia.

Desejo a cada um de vós especialmente as mais doentes, os que se encontram sozinhos, as pessoas idosas, familiares, aqueles são a causa e a razão do nosso ser, uma Santa e feliz Páscoa do Senhor. Que a Luz de Cristo Ressuscitado nos encha de alegria, paz e esperança.

Feliz Páscoa