Congregação das Irmãs Franciscanas

de Nossa Senhora das Vitórias

Fundadora

PARTILHA

Mary Jane Wilson

Também conhecida como Irmã Maria de São Francisco foi uma religiosa inglesa, fundadora da Congregação das Irmãs de Nossa Senhora das Vitórias.

Nascida a 3 de outubro de 1840 na Índia, filha do capitão Charles Wilson e Mary James, ambos ingleses, de família nobre e de religião anglicana. Ficou órfã de pais desde criança e foi cuidada pela tia Ellen na Inglaterra. O pai, antes de falecer, pediu à tia pelos dois filhos que deixava: “Educa os meus filhos para a eternidade”!

Ao atingir a idade adulta Mary começou a ter muitas dúvidas sobre a sua fé e a sua religião, andou um tempo à procura de uma religião que a ajudasse a se realizar como cristã segundo as inquietações que trazia dentro de si. Buscou acompanhamento espiritual e encontrou um sacerdote redentorista que a ajudou. 

A última dúvida a ser vencida foi sobre a presença de Jesus na Eucaristia. A noite em que aceitou este dogma passou-a em tempestuosa oração, agarrada a uma pequena imagem de Nossa Senhora das Vitórias e rezou:

“Ó Virgem Maria, Mãe de Jesus e minha Mãe, vós que venceste todas as dificuldades e tanto sofrestes por amor do Vosso Divino Filho, Jesus Cristo, alcançai-me a graça de eu ser esclarecida se é verdade que Jesus Cristo vivo, está no Santíssimo Sacramento para que eu possa pertencer a Igreja católica. Não vos deixo esta noite, sem que me esclareçais”. 

O que se passou nem ela sabia explicar. O que apenas sabia dizer é que despertou de um sono. A noite escura findou e sentiu-se iluminada, sem uma única dúvida sobre as verdades da fé. Ela mesma escreveu em sua agenda: 30 de abril: “Recebi o dom da fé”. Deste modo, recebeu o batismo condicional e fez sua primeira comunhão a 11 de maio de 1873. Data em que se comemora a sua conversão ao catolicismo.

Mary fez-se enfermeira e por desígnio de Deus chegou à Ilha da Madeira, Portugal em 1881, acompanhando uma senhora doente que precisava fazer tratamento ali. Ao chegar Mary ficou encantada com a beleza da Ilha, mas o sofrimento de muitas pessoas desse lugar, tocou o seu grande coração. De fato, havia muitos doentes, muitas crianças sem catequese e sem escola, muita pobreza humana e espiritual. Começou logo a fazer o bem. Sua obra de bem fazer foi crescendo como um grão de mostarda lançado à terra…. Vendo que sozinha não podia com tamanha missão, foi ao Hospício D. Amélia pedir a umas Irmãs, uma menina trabalhadora, inteligente e de boas maneiras para lhe ajudar. Foi-lhe lhe dada Amélia Amaro de Sá que em breve faria 18 anos. E, apenas com essa jovem, Mary Wilson começou a Congregação. Assim escreveu na sua agenda: Amélia Amaro de Sá (Irmã Elisabeth) e Irmã Maria de São Francisco juntaram-se em 1884 para fundar a Congregação Franciscana de Nossa Senhora das Vitórias.

O título de Nossa Senhora das Vitórias evoca a pequena imagem da Virgem Maria, cuja intervenção maternal foi decisiva na sua conversão ao catolicismo.

O nome Maria de São Francisco atesta a sua comunhão com o seráfico São Francisco de Assis.

O nome de Elisabeth dado à Irmã Amélia parece honrar santa Isabel, rainha da Hungria, padroeira da Ordem Franciscana e notável pelo seu amor aos pobres.

Deste modo começou a Irmã Wilson a nossa Congregação, fazendo todo o bem possível, com beleza, dedicação e muita fé. Abriu várias frentes de missão em defesa da vida: hospitais, escolas e orfanatos, farmácias e um seminário para formar novos sacerdotes. Onde havia uma necessidade ali estava Mary Wilson pronta para ajudar. Em 1907 teve a epidemia de varíola na Ilha da Madeira e a Irmã Wilson com as suas filhas não mediram esforços para combatê-la, mesmo colocando as suas vidas em risco, salvando muitas pessoas pela misericórdia de Deus. Fez tanto bem ao povo da Madeira, que começou a ser chamada pelos madeirenses de Boa Mãe. Sim, Boa Mãe dos pobres, dos indefesos, dos órfãos, das crianças, dos doentes e infelizes.

“Irmã Wilson, todo um poema de amor a Deus e ao próximo! Alma eucarística, entregue filialmente a Virgem Maria, irmã de Francisco de Assis e de Teresa de Lisieux, irradia paz, confiança no Pai do Céu, abandono à sua vontade, paixão pela sua gloria. É pura e alegre, silenciosa e ardente. Atenta como uma mãe, valente como um profeta, derrama-se em atividades mil a favor dos pobres, doentes, crianças, velhinhos, não-evangelizados. Coração universal, vem da Inglaterra, abraça a Madeira, sonha com o mundo. Ninguém se aproxima dela sem sentir vontade de se tornar melhor”.

A venerável Irmã Wilson está em processo de canonização. A 18 de agosto de 1991, em cerimónia presidida pelo Bispo do Funchal, D. Teodoro de Faria, fez-se a abertura oficial do processo diocesano de canonização da Irmã Wilson, na Igreja São Pedro. A 30 de abril de 1993, D. Teodoro de Faria presidiu ao encerramento do processo, na Quinta das Rosas, seguindo o seu percurso posteriormente na Congregação para as causas dos Santos, em Roma. Em fins de abril de 1999 terminou a primeira fase do processo romano com a publicação da Positio. A 2 de maio de 2012 os teólogos pronunciaram-se favoravelmente acerca do processo, e a 01 de outubro de 2013 os cardeais. A 09 de outubro de 2013, o Papa Francisco assinou o Decreto que reconhece as virtudes heroicas e proclama “Venerável” a Irmã Maria de São Francisco Wilson. Divulguemos sua vida, obra e missão.

Reze e peça ao Senhor por intercessão da Irmã Wilson:

Ó Deus, Pai Santo, nós vos damos graças pela caridade com que enriquecestes a Vossa fiel serva Irmã Wilson. Se for do Vosso agrado glorificá-la, concedei-nos por sua intercessão, a graça que Vos pedimos (pedir a graça). Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, que é Deus convosco, na unidade do Espírito Santo. Amem. 

Pai Nosso, Ave Maria e Glória.

Venerável Irmã Wilson, rogai por nós!

Favor enviar as graças alcançadas no formulário abaixo ou para o email secirmawilson@gmail.com

PARTILHA