Congregação das Irmãs Franciscanas

de Nossa Senhora das Vitórias

NOTÍCIAS

PARTILHA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Curso de Missiologia

De 21 a 26 de agosto várias Irmãs da Congregação estão a participar do Curso de Missiologia, na Consolata, em Fátima.

Dentre vários conteúdos desta semana, partilhamos os Princípios para a Interculturalidade e Missão, dados pela Professora Diana de Vallescar:

1. A natureza, o ambiente e a cultura interagem para moldar o nosso cérebro e influenciar o comportamento e a expressão da fé, de forma única;

2. A vida intercultural é um desafio para ser enfrentado e gerido adequadamente;

3. A vivência intercultural é intencional e baseia-se no pressuposto da fé apoiada no diálogo e nas competências de comunicação e relação interculturais;

4. As experiências transformam a mente, o cérebro e o corpo. Pelo que a abertura à diversidade e às diferenças se adquire pela prática, pelos relacionamentos e pelo treino intercultural;

5. A vida intercultural requer motivação, curiosidade, técnicas, fé e opera uma transformação pessoal;

6. Nao é fácil, nem romântica, também não é desejável nem necessária, para muitas pessoas;

7. A boa vontade não chega para viver na missão intercultural. Requer um compromisso conjunto e um trabalho contínuo para a aquisição de visão, preparação, virtudes, para que não domine um único estilo cultural nas comunidades;

8. Qualquer pessoa que assuma um ministério ou serviço relacionado com os outros, ou causas como a igualdade de género, idade, étnica-cultural, religiosa, etc. defronta-se com as dificuldades e desafios da vida intercultural;

9. A interculturalidade requer mediação cultural, intervenção e um processo de criação e transformação;

Para refletir: Quando te relacionas com pessoas de diferentes culturas, qual é o maior desafio, frustração ou problema com que te defrontas?( Responda, por favor, da forma mais personalizada possível)

É preciso uma conversão pessoal para viver a interculturalidade. É preciso humildade e gratidão para acolher o diferente de mim. A gratidão é uma postura diferente de se colocar diante das diversas culturas. Interculturalidade é todos nós fazermos esforço para nos percebermos mutuamente. Não querer escutar o mesmo tom de voz, mas treinar-se a escutar sons e línguas diferentes.

Deus abençoou a diversidade. Ele criou a diversidade humana, terrestre e cósmica.

Matamos a diversidade, quando alguém fala de modo defeituoso o portugués, e nós o impedimos de falar. É mais importante querer comunicar com o outro, do que falar tudo certo.

“A Igreja não tem portas, para que todos possam entrar…sem excluir nenhum” (Papa Francisco, Fátima, 5 de agosto de 2023)

Quais portas temos fechado em nossas vidas para não deixar entrar as pessoas?

Interculturalidade e missão se constroem a partir de opções de vida.

É necessário preparar-se para viver a diversidade, se não a vida se torna uma “panela de pressão” cheia de dispersão, dificuldades, problemas, conflitos e crises. Algumas áreas chaves a considerar são: a língua, a religião, os costumes e as tradições.

O cristianismo nascente foi marcado por trajetórias plurais.

O certificado da interculturalidade foi emitido pelo Espírito Santo em Pentecostes. Todos se entendiam…há algo superior que nos une, mais que as línguas.

Como São Paulo somos chamados a ser mediadores das culturas diferentes para saber conduzir as comunidades, buscar a harmonia entre os povos.